Desenvolvido por Ricardo Ventura
ricardo.ventura777@hotmail.com
Partículas Nano Letais na Vacina de "Gripe Suína", Relata
William Engdahl
Diz-se que, e segundo informação não confirmada, o Dr Siegfried Kasper, um professor de Psychiatria and Chefe do Departamento de Psiquiatria Geral na Universidade Médica de Viena, envolvido em projetos da Organização Mundial de Saúde (OMS) e conselheiro para a Agência Européia de Avaliação de Produtos MEDICINAIS (EMEA)", é uma figura chave em assegurar que partículas nano podem ser usadas na vacina de ‘gripe.???

Partículas Nano Usadas em Vacinas Não Testadas de Gripe Suína
F. William Engrail? Global Research?September 14, 2009

Vacinas aprovadas pelas autoridades responsáveis do governo para vacinação contra a alegada Gripe suína H1N1 contem partículas nano. Os fazedores de vacina por vários anos tem estado experimentando com partículas nano como uma maneira de super ‘carregar a turbina’ . Agora veio a público que as vacinas aprovadas para uso na Alemanha em outros países europeus contem partículas nano em uma forma que se diz atacar mortalmente células saudáveis.

Em 2007, pesquisadores na Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL) anunciaram em um artigo no jormal Nature Biotechnology, haver desenvolvido uma partícula nano que poderia fazer vacinação mais eficiente,, com menos efeitos secundários e por uma fração do custo das Technologies de vacinação existentes.” O artigo continua por descrever os efeitos dessa descoberta:
Nanopartîculas, promovidas na grande mídia como uma nova revolução científica, são partículas que são produzidas em uma tamanho enormemente menor do que as partículas de asbestos que causaram dano pulmonar severo e morte, antes de passarem a ser ilegais.

Partículas em tamanho nano, (nm = 0,000000001 Metro) se fundem unto com as membranas celulares do nosso corpo e, de acordo com estudos recentes na China e Japão, uma vez introduzidas no corpo passam a continuamente destruir as células. Uma vez que ela interagem com a estrutura celular do corpo elas não podem ser removidas. A medicina moderna eufemisticamente chama esse fenômeno de reação infecciosa contínua.

Desde o escândalo com asbestos, tem sido estimado que partículas no tamanho de um milionésimo de um metro, devido a sua força de atração enorme, penetram todas as células, destruindo toda célula com a qual entra em contacto. Partículas nano são muitíssimos menores do que fibras de asbestos.

Testes em Beijem confirmam efeitos letais em humanos.
O fato que a OMS, a Agência Européia de Avaliação de Medicamentos, o Instituto Alemão Robert Koch e outras instituições de saúde permitiriam hoje que a população seja injetada com uma nova vacina não testada, contendo partículas nano diz mais sobre o lobby poderoso da indústria farmacêutica na política européia do que sobre a sanidade e integridade moral dos servidores civis responsáveis pela saúde do público em geral.

O volume de setembro de 2009 do respeitado European Respiratory Journal, trouxe a público no dia 19 de agosto e fez disponível na internet desde o dia 21, um artigo peer-reviewed com o título, “Exposição a partículas nano está relacionada a efusão pulmonar , fibrosis pulmonar e granuloma’ (‘Exposure to nanoparticles is related to pleural effusion, pulmonary fibrosis and granuloma.”)

O artigo descreve testes feitos em 2008 no hospital de elite, o Hospital Shaoyang de Beijing, em sete mulheres jovens. Todas as sete, com idade entre 18 e 47, por 5 -13 meses tinham sido expostas no mesmo local de trabalho, a partículas nano. Todas foram admitidas no hospital com falta de ar e efusão pleural, ou fluidos excessivos em torno do pulmão. Nenhuma das sete havia fumado durante a vida e nenhuma pertencia a qualquer grupo de risco. Doutores testaram cada possibilidade e confirmaram que os problemas pulmonares tinham uma origem comum - inalação regular de partículas nano na fábrica em que trabalhavam. Ela tinham sido expostas a partículas nano de Polyacrylat.

Os testes confirmaram que as partículas nano tinham desencadeado uma reação de super-derretimento (‘super-meltdown’) nos pacientes. Apesar dos esforços heróicos dos médicos duas morreram de complicações pulmonares.

Em seus relato, os cientistas concluíram algo tão alarmante que é necessário citá-lo em sua inteireza:

“Testes imunológicos, exames bacteriológicos, virologia, marcadores de tumor, bronchoscopia, thoracoscopia interna e cirurgia torácica assistida por vídeo, foram feitos. Pesquisas de local de trabalho e exames de pacientes foram conduzidos. Polyacrylate, consistindo de partículas nano foi confirmado no local de trabalho. Exame patológico do tecido pulmonar mostrou inflamação pulmonar não específica, fibrosis pulmonar e granuloma de pleura contendo corpos invasores. Usando transmissão de microscopia de electro, partículas nano foram observadas no citoplasma e caryoplasma das células pulmonares epiteliais e mesoteliais, mas também localizadas no fluido torácico. Esses casos levantaram a preocupação de que exposição a longo prazo sem medidas protetoras pode estar vinculada a dano sério ao pulmão humano.“

Até agora, estudos em animais e experimentos in vitro mostram que partículas nano podem resultar em dano pulmonares e em outras toxicidades em animais, mas antes do estudo de Beijem nenhum estudo tenha sido feito com relatos de toxicidade em humanos devido a partículas nano.

O estudo do Hospital Chaoyang de Beijem tem agora afirmado conclusivamente que partículas nano causam dano ao pulmão e outras toxicidades em humanos. Nesse momento, quando duas das vacina aprovadas e planejadas para serem distribuídas em massa na Alemanha e noutras parte do mundo contem partículas nano, falha dos oficiais relevantes de epidemiologia e dos responsáveis pela saúde pública em comandar um congelamento imediato na distribuição de qualquer vacina contendo nano chips pode somente ser considerado como equivalente a negligência criminal. Temos esperança de que as autoridades responsáveis reagirão em tempo para evitar uma possível catástrofe de saúde pública em uma ordem de magnitude pior que o pior caso de gripe suína relatado até hoje.