Desenvolvido por Ricardo Ventura
ricardo.ventura777@hotmail.com
O INFERNO NEGRO DAS VACINAS
( É O QUE NÃO CONSTA  NOS ROTÚLOS ? )
POR RICHARD GALE E DR. GARY NULL http://perigomortalvacinah1n1.blogspot.com/2009/11/o-inferno-negro-das-vacinas.html
                                                                                                                                          GLOBAL RESEARCH, 29 DE SETEMBRO DE 2009

-REDE DE RADIO PROGRESSISTA , 28- 09  2009
http://perigomortalvacinah1n1.blogspot.com/2009/11/o-inferno-negro-das-vacinas.html

Recentementede  quase todos os sites tenho recebido muitas informações sobre o N1H1, tenho escutado horrores deste vírus....
O que sei de verdade:
Mas eu anunciei que este e-mail era sobre uma visão ecológica, pois sei que você também está recebendo estes e-mails polêmicos e parecidos com teorias da conspiração pro fim do mundo.

A grande maioria dos cientistas, médicos, enfermeiros e educadores de saúde pública confiam “que os ingredientes numa vacina foram individualmente e sinergicamente provados como seguros e eficazes. O público acredita que essas vacinas, com exceção dos seus vírus específicos, são soluções estéreis, livres de contaminantes indesejáveis porque não constam no rotulo do fabricante. Quando o pediatra injeta uma vacina no músculo de uma criança, o público tem uma fé inquestionável sobre a sua utilidade. Por outras palavras, eles querem acreditar que as vacinas foram fabricadas em condições perfeitas para a segurança das crianças e deles também.

Nossa investigação demonstra que a maioria das pessoas desconhecem realmente o que compõem as vacinas: quais os ingredientes ativo descritos nos rótulos dos produtos, e os dos ingredientes inertes, e, mais importante, é que os ingredientes foram escondidos. Ainda antes disso têm de dispor de tempo para poder estudar o assunto, rever a matéria e a literatura científica e descobrir a verdade por si mesmo. Para nosso espanto, essa verdade era fácil de descobrir. Mas é a verdade dum inferno que o vai assustar.

Um inferno similar aconteceria se estivesse a comer um parmesão de vitela e fosse colocado um vídeo na sua mesa a transmitir ao vivo a receita em vez da refeição real. Este vídeo se desenrola diante de seus olhos a cada passo a vida desse pequeno animal, do nascimento do vitelo para o parmesão no seu prato. Você testemunha como subtraíram a este vitelo os seus nutrientes naturais, criado num apertado estábulo, gravemente desnutrido e deformado, inchado por antibióticos, doente e sofrendo todas as privações até que, finalmente é abatido, cortado, cozido e servido em seu prato. Será que o seu apetite é o mesmo? Você ainda deseja o parmesão? Por conveniente comodismo raramente perguntamos de onde vem a nossa comida. Como e onde é cultivada? O que foi pulverizado sobre ela antes de nosso consumo? Portanto, nós vamos aprender algo sobre vacinas que os educadores de saúde do mais alto nível e líderes de opinião desconhecem. Isto é, o que entra na composição das vacinas e deve refletir sobre o que lhe escondem. Então pergunte a si mesmo, você quer vacinas dentro do seu corpo?

Para conhecermos a profundidade máxima dos estudos e métodos de acadêmicos honestos, através dos quais as vacinas e os seus ingredientes são preparados escondidos, recorremos ao jornalista de investigação médica britânica, Janine Roberts, que retrata um quadro totalmente diferente sobre o inferno mais sombrio das vacinas que não aparecem nos seus rótulos. Este Janine Roberts é o mesmo que denunciou ao mundo o caso do genocídio dos diamantes de sangue no Congo e a destruição de culturas aborígenes pelo governo australiano.

É horrível o balanço das conversações entre membros de alto nível de Organização Mundial da Saúde (OMS), das agências federais de saúde, e cientistas peritos das vacinas, que decidem ou não se uma certa vacina será ou não aprovada. Suas investigações são apoiadas em documentos relativos a reuniões oficiais e na sua comparecia em reuniões de emergência sobre vacinas, e confirmam que o nosso mundo de peritos de saúde e de vacinas concordam que não há solução à vista para resolver as incertas ameaças potenciais colocadas por esses ingredientes escondidos (1).

A história começa com a tentativa do complexo industrial da vacina para reduzir os custos de fabricação da vacina, solicitando a aprovação do governo para utilizar linhas de células cancerígenas no desenvolvimento de vacinas. A lógica da indústria das vacinas é que as células cancerosas são “imortais”. A metodologia da produção de vacinas em curso depende das células animais, como embriões fertilizados de galinha e dos rins do macaco, que morrem rapidamente na cultura. Usar células cancerosas é também muito mais barato do que depender da compra de animais, especialmente macacos, que precisam ser sacrificados para obter substratos da vacina.
Roberts registra duas reuniões separadas, uma reunião em 9 de Novembro de 1998, com o Comitê Consultivo, relacionada com produtos biotecnológicos e a vacina, e uma reunião subseqüente com os Científicos servidores numa oficina de perspectiva regulamentar menos de um ano depois. As conversas decorreram a um nível científico, entre funcionários e cientistas especialistas do FDA, Centros de Avaliação e Pesquisa Biológica (CBER), o Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas (NIAID), a OMS e outros, cada um fornecendo provas e / ou confirmação de que todas as vacinas estão perigosamente contaminadas.

As conversas incidiram essencialmente sobre a gripe,vacina do sarampo, papeira e rubéola e vacinas contra a febre amarela, que dependem dos ovos de galinha fertilizados para o cultivo do vírus. Os ovos de galinha fertilizados, enquanto idealmente apropriados para o cultivo de certos vírus de vacinas, tais como o da gripe do sarampo, papeira e rubéola, também estão vivendo em incubadoras para um grande número de vírus conhecidos e desconhecidos, no reino animal. Apesar de não se transmitirem a partir dos animais hóspedes para os seres humanos, naturalmente, no entanto são seqüenciais de códigos genéticos, que quando injetados no corpo humano, têm o potencial de gerar imprevisíveis conseqüências negativas por interferir ou fundir-se com os códigos das células humanas. A investigação das vacinas é, quando muito, uma ciência primitiva, porque infectam as substâncias estranhas, químicas e genéticas, na corrente sanguínea que não deviam entrar na natureza do nosso corpo.

Quando nós incluímos na equação a enorme quantidade de conhecidas e desconhecidas proteínas estranhas e material genético que as vacinas introduzem no corpo, então observa-se o aumento rápido de epidemias que assolam a população norte-americana que inclui diabetes em crianças, um grande número de processos inflamatórios e diversas doenças de imuno deficiência, asma e novas alergias, severos distúrbios gastrointestinais (por exemplo, síndrome do intestino roto e Doença de Crohn, síndrome da fadiga crônica e diversos distúrbios neurológicos (por exemplo, autismo, ADD e ADHD, Alzheimer, Parkinson, etc. .). Temos de recuar e reconsiderar as suas causas. Devemos repudiar o tipo de fé do complexo industrial da vacina e o seu determinismo, a perspectiva reducionista do materialismo genético para descobrir quem tem de responder pelo bombardeio de substâncias químicas tóxicas, tais como adjuvantes de vacinas e preservativos, material genético estranho, e os organismos patogênicos e estranhos fragmentos genéticos que assaltam os nossos corpos desde o nascimento até a velhice.

Por algum tempo, era sabido que a enzima transcriptase reversa (RT) esteve presente em soluções de vacina final. RT foi utilizada até agora como um indicador de que existe uma presença de um retrovírus. Durante os trabalhos da reunião, a OMS decidiu negar o anúncio público da evidente contaminação genética, e, bem assim a nocividade da vacina do sarampo, papeira e rubéola, e tomou a decisão de não removê-la do mercado e, entretanto, prosseguir os estudos de segurança em laboratórios diferentes.

Roberts relata que o Dr. Khan Arifa do FDA confirmou:

A atividade de RT em que a vacina foi associada com partículas de retrovírus a partir de duas estirpes virais: vírus da gripe aviária Leuokosis (ALV) e vírus da artrite (EAV). O primeiro era especialmente preocupante, pois ALV é leucemia, e Dr. Khan afirmou: “Havia uma possibilidade teórica de que o vírus [ALV] poderia infectar a …” célula humana”. Em resumo, isso significa que o código genético ALV poderia integrar-se no ADN humano, e daí a causar algum tipo de cancro.
Reafirmação do FDA que a atividade de ALV RT era seguro é baseado em observações de laboratório quando não houve atividade de fusão viral no DNA humano para “um total de 48 horas. Este tipo de garantia é quase absurdo e foge ao raciocínio científico uma vez que os cancros podem levar anos para se desenvolver!

Como nota adicional, a atividade da transcriptase reversa é uma apoiaste da hipótese da SIDA. Num artigo intitulado “Sérias dúvidas a respeito da segurança e eficácia da vacina da gripe”, publicado no Canadá pela rede dos riscos da vacina no Canadá relata que alguns estudos, e até mesmo algumas anotações sobre a vacina” indicam que a vacina aumenta a replicação viral HIV.” (2) Isto significa que todas as vacinas estimulam um forte efeito supressor sobre o sistema imunológico. Sob condições de stresse, o vírus torna-se hiperativo e aumenta a sua capacidade de se replicar.

O outro risco declarado pelo funcionário da FDA foi a possibilidade da seqüência ALV fundir-se com o vírus do sarampo, criando assim um vírus completamente novo, mutante e perigoso. (Isto poderia aplicar-se igualmente para o vírus da gripe suína H1N1 e quaisquer outras vacinas contra a gripe). Por outro lado,a geneticista britânica de renome mundial, Dra. Mae-Wan Ho, do Instituto de Ciência na Sociedade escreveu que, “Vacinas contra qualquer pessoa podem ser perigosas, especialmente ao vivo, quer as vacinas virais atenuadas ou as novas vacinas recombinantes de ácidos nucléicos, elas têm o potencial para gerar vírus virulentos por recombinação e os ácidos nucléicos recombinantes que podem causar doença auto-imune. “(3)

Durante a reunião, o Dr. Andrew Lewis, então líder, do Laboratório do vírus DNA da Divisão de Produtos Virais confirmou que “todos os ovos baseadas em vacinas estão contaminados …. Estes ovos de galinhas fertilizadas são suscetíveis de produzir uma grande variedade de vírus. “Os participantes também perceberam que somente uma fração muito pequena desses contaminantes foram identificados e há umas centenas mais para serem descobertos.

Roberts encontrou um relatório de 2001 do CDC mostrando que estudos de investigação sobre a RT, tanto para a ALV e retrovírus EAV foram realizados em 100 pacientes que receberam a vacina MMR do sarampo papeira e rubéola . Eles encontraram atividade indesejável do RT, em todos os lotes de vacina contra o sarampo etc. de diferentes fabricantes testados.” Sua conclusão é que “esta ocorrência não é esporádica e que os receptores da vacina podem estar universalmente expostos a estas partículas retrovirais das galinhas.”Numa separada reunião,do Instituto Nacional de Saúde que foi transcrita, o Dr. Conroy da Organização Mundial de Saúde declarou que os vírus EAV são encontrados em todos os ovos de galinha fertilizados. Parece haver pouca mudança no protocolo científico para produzir a gripe, e as vacinas de febre amarela e de MMR( sarampo, papeira e rubéola). A produção em curso de vacinas injetáveis contra o H1N1 disponíveis no mercado global, depende da utilização de embriões de galinha fertilizados. Estes incluem vacinas aprovadas pela CSL, Medimmune, Novartis e Sanofi-Pasteur, bem como GlaxoSmithKlines se e quando é aprovado nos E.U..

Uma ultima reunião da oficina cientifica de perspectivas de regulamentação do FDA, sem a imprensa, foi convocada em 7 de setembro de 1999, em Washington, DC, e com a presença de “representantes de todas as maiores instituições de saúde pública no Ocidente.” A seguir estão os resumos dos pontos-chave e declarações levantadas durante esta reunião, como consta no valioso livro de Janine Roberts intitulado “Medo do Invisível”.

» Foi confirmado que as vacinas são “muito contaminadas por vírus e fragmentos de código genético DNA,e por muitos vírus e proteínas. Houve expressiva preocupação de que estes também podem conter priões (proteínas minúsculas responsáveis por doenças incuráveis e distúrbios neurológicos em seres humanos e animais) e de oncogenes (um gene que transforma as células normais em cancerosas). Um dos participantes, o Dr. Goldberg, declarou: “Há incontáveis milhares de vírus por descobrir,e ainda proteínas e partículas semelhantes. Identificamos apenas uma parte muito pequena do mundo microbiano e só podemos testar aqueles que identificamos. Assim, as culturas de vacinas podem conter muitas partículas desconhecidas”.

» Dr. Andrew Lewis, do FDA disse que uma marca de macaco relacionado com um novo vírus mutante humano foi criado durante o decorrer da criação de uma vacina de adenovírus e o vírus hibrido-SV40 .O Dr. Lewis também está preocupado com uma célula estranha de DNA comum em vacinas de crianças que podem incluir “oncogenes virais”, capazes de causar o cancro.

» Os cientistas apresentaram uma pergunta a si próprios quanto a se ou não uma estirpe de vacina atenuada poderia converter-se numa variante do vírus capazes de replicação tão rápida, que ela poderia causar a SIDA. Eles concordaram que eram incapazes de responder a essa pergunta.

» Sobre a questão ou não se uma mutação poderia ocorrer em crianças após a vacinação, a resposta foi que a recombinação “entre uma variedade de vírus [vírus contaminante] e células co-infectados em cultura de tecidos não é rara.” O que isto significa, basicamente, é porque não é rara para os códigos genéticos de ambos os vírus contaminantes e as células vivas para recombinar e criar mutações em culturas de laboratório, mas com certeza que isso pode ocorrer no corpo de uma criança após a vacinação.

» Dr. Hana Golding, Chefe do Laboratório de Investigação Retrovírus CBER , denunciou o aumento de medo acerca dos contaminantes existentes nos fragmentos de DNA nas vacinas mesmo que se possa pensar estarem mortos, eles poderiam permanecer ativos e perigosos. Isto significa que os códigos destes contaminantes podem combinar-se nas vacinas e criar novas estirpes mutantes de agentes patogênicos.

» Dr. Leonard Hayflick, virologista, tanto na Universidade STANFORD como na da Califórnia em San Francisco suscitou uma preocupação em que a cultura comum primária utilizada para a fabricação de vacinas com animais e embriões de aves tem criado uma situação em que é “evidente que estas células continham muitos vírus indesejáveis , alguns dos quais eram letais para os seres humanos. “Isso foi especialmente preocupante nessas vacinas, tais como a poliomielite, que ainda depende das células do rim de macaco que têm contribuído para espalhar a morte e a doença.

» Um dos principais peritos de vacinas do Reino Unido, o Dr. Phil Minor do Institute Nacional de Controle Biológico, observou que a vacina contra alguns casos de pólio, contaminam mais com o vírus do macaco, SV40, do que com o vírus da pólio. Embora os não iniciados que não são informados quando o cientismo da vacina esconde que foram levados a assumir que o S.V 40 já não estava nas vacinas da pólio no momento da reunião, mas as conversações confirmaram que ainda estava a ser usado . Este é outro exemplo de fraude em níveis elevados no interior do complexo industrial das vacinas e os funcionários de saúde do governo de alto nível que retém informação que prejudica diretamente a saúde e o bem estar dos cidadãos.

» Dr. Rebecca Sheets do Laboratório CBER responsável pelo controlo de segurança da vacina contou que as organizações nacionais de saúde não tinham controle sobre como as vacinas eram feitas. Em suma, eles poderiam fazer recomendações, mas o complexo industrial da vacina era livre para agir como ele quisesse.

» É impossível remover os contaminantes de DNA das vacinas. Embora os limites do poder para a contaminação do DNA tivessem sido estabelecidas pelo FDA já desde 1986, os fabricantes de vacinas nunca foram capazes de cumprir esse objetivo. O CDC decidiu limitar o poder da sua recomendação para linhas de células cancerígenas e em seguida, aumentar a permissividade de contaminação do DNA mais cem vezes. No entanto, esses limites são apenas “recomendações” e, por conseguinte, FDA não tem poder para as aplicar. Os fabricantes de vacinas continuam a ter a liberdade de tomar medidas científicas para reduzir contaminantes só se quiserem.

Lembre-se, a este nível de contaminação (10 nanogramas) só se aplica a uma única vacina. As crianças de hoje são inoculadas com muitas vacinas antes de entrar na escola, cada um com o DNA original e contaminantes virais, devido à célula específica de substratos utilizados para uma dada vacina. Esta sopa tóxica genética é o que então flui através do corpo de uma pessoa vacinada.

» Um oficial de saúde do governo declarou, “Eu presidi à comissão que licenciou a vacina da varicela, e DNA [residual] foi realmente um problema que nós consideramos na época. Nos procuramos entre os receptores da vacina a evidência de uma resposta auto-imune associado com o DNA incluídos nessa vacina … … Na verdade, nós não procuramos , pedimos à empresa para investigar mas nada aconteceu “. Bem, é claro, apenas a tais garantias podia ser convincente se, de fato, a empresa tivesse efetuada o estudo, para a qual não havia motivo obrigatório. Claramente, o que o funcionário está dizendo é que as autoridades de saúde não possuem qualquer estudo que documente que tal estudo realmente existia.

» Pode a contaminação das Vacinas de DNA causar cancro ou doença auto-imune? Um participante da reunião respondeu: “quando é de considerar que o pior de tudo é injetar estas vacinas diretamente no tecido … Acho que você não podia fazer muito mais do que deixar o DNA atuar [deixar que o DNA contaminante ocupe as células humanas] do que injetá-lo num músculo na forma como está sendo feito. “

» A Drª Rebecca Sheets da CBER declara o seguinte: “Eu acho que a grande maioria das vacinas licenciadas, nos E.U, não foram testadas quanto ao DNA residual”.

» Uma pergunta mais assustadora foi levantada quanto a se era sabido que tinha havido qualquer presença do vírus espumoso. Vírus espumoso (VFN e o seu mais espalhado parente SFV dos macacos), ainda que não infeccioso, é um agente cancerígeno mortal. Quanto ao conhecimento dos participantes, eles não sabiam se algum laboratório já tinha investigado a preparação das vacinas.

» A reunião confirmou que uma célula em particular “, que, em muitas condições é neoplásicas [que causam tumor]” foi licenciada para a produção de vacinas contra a poliomielite ambas injetáveis e orais nos E.U., Tailândia, Bélgica e França. Portanto, essas vacinas transportam o alto risco de conter genes causadores do cancro.

A fim de apreciar a magnitude do problema de contaminação dos produtos que compõem as vacinas, é importante compreender que a filtragem das vacinas precisa de aprovar o vírus em causa para manter o uso da vacina. Outras partículas e agentes patogénicos- e fragmentos DNA e RNA de outros organismos patogênicos (e) no processo de fabricação, substratos de células, e proteínas virais - menor do que o vírus da vacina continuarão na vacina.

O que o conteúdo desses encontros nos diz é melhor explicada por um dos principais assistentes na reunião, o Dr. Minor que declarou: “Portanto, desde então, ainda hoje, você tem que ter em mente que uma grande quantidade de vacinas é feita realmente com muitos materiais em bruto, de um ponto de vista do agente acidental. Não se trata de um uso trivial. Na verdade, quando se considerar como as vacinas são realmente feitas nos nossos dias, elas são bastante primitivas, em alguns aspectos. ” Janine Roberts resume suas investigações de forma sucinta.

“Em outras palavras, as vacinas que damos aos nossos filhos estão cheios de líquidos com uma série de partículas desconhecidas, a maioria dos quais veio a partir de células da não-humanos: a partir de galinhas, macacos e até mesmo de células cancerosas. Realmente não sabemos o que estamos fazendo ou quais são as conseqüências a longo prazo. Tudo o que se sabe ao certo é que as vacinas são uma forma muito barata de medicina pública, muitas vezes fornecida pelos governos para convencer o público que realmente se importam com a segurança dos nossos filhos “.
A conclusão que se pode tirar dessas reuniões convocadas por nossas autoridades de saúde nacionais e internacionais em ciência e segurança das vacinas é que as vacinas são praticamente experiências genéticas, com a capacidade de causar a destruição da massa celular, ao serem injetadas na população do mundo, especialmente nas crianças. Restam muitas perguntas não respondidas sobre a ciência das vacinas. Isto inclui as futuras vacinas contra a gripe suína, que incluirá os contaminantes atrás mencionados, se considerarmos ou não que as palavras dessas pessoas são de gente com bons sentimentos.

Se quisermos expressar todo o respeito e admiração isso devia ser dirigido à natureza do nosso sistema imunitário do nosso corpo e da sua capacidade de se defender da investida dos fabricantes de vacinas. Não é a vacinação, que é um milagre da ciência, como o complexo industrial das vacinas, as autoridades governamentais de saúde e suas congregações de crentes estão muito desejosos de propagandear. Na verdade, o verdadeiro milagre é a habilidade do corpo para se proteger, na maioria dos casos, da invasão de vacinas. No entanto, mesmo esta declaração não é verdadeira, dado o aumento dramático de múltiplas doenças e condições inflamatórias que atinge as pessoas de todas idades.

Tal como acontece com todos os sistemas vivos, quer se trate de um habitat natural no estado selvagem, ou do sistema climático do planeta que apóia a vida, ou o sistema imunológico do corpo, um alerta finalmente chegou. Hoje, com a maioria do público ainda a comprar as falsas promessas da eficácia e segurança da vacinação, o complexo industrial da vacina continua sendo um negócio extremamente lucrativo. Cada vez mais as vacinas estão sendo desenvolvidas para uma ampla variedade de doenças e infecções: clamídia, herpes simplex tipo 2, vírus do Nilo Ocidental, o vírus Epstein-Barr, e outros, que só contribuirá para aumentar a sobrecarga de vacinas já recomendada, especialmente para crianças que são oficialmente recomendados para receber 36 vacinas separadas pelo tempo até atingir 18 meses de idade. Como a estes novos venenos genéticos se juntam as recomendações dos organismos de saúde nacionais de vacinação, um ponto de alerta pode ser alcançado, o que provocará uma pandemia mais grave, uma pandemia de vacinas contra mais doenças, manifestando-se em inúmeras doenças que dependerá da predisposição genética de cada pessoa vacinada e da robustez do seu sistema imunitário, do que a ameaça de qualquer epidemia causada pelos cruéis agentes infecciosos, incluindo o vírus H1N1, que podem despertar a nossa chamada sociedade desenvolvida, de higiene.

Richard Gale é o produtor executivo do Progressive Radio Network e um ex-analista sênior de pesquisa na indústria genômica. Dr. Gary Null é o anfitrião das mais longas da nação em execução de programa de rádio pública sobre nutrição e saúde natural e um multi-premiado como diretor de filmes documentários progressivos, incluindo Vacina contra a Nação e Autismo: Made in the E.U.A..
Notas

(1) As citações e acontecimentos seguintes foram retirados do livro de Janine Roberts “ Medo do Invisible “. :  Porque nos assustam os vírus e as vacinas a pesquisa e o impacto da Sida Bristol UK, 2009, e de uma entrevista com Janine Roberts. O Gary Null Show. The Progressive Rede de Rádio e WNYE-Nova Iorque, em 19 de agosto de 2009.

(2) “sérias dúvidas a respeito da segurança e eficácia da vacina da gripe” Vacina Risk Awareness Network. http://vran.org/about-vaccines/specific-vaccines/influenza-vaccine-flu-shot/influenza-nursing-home-deaths/

(3) Ho, Mae-Wan, Cummins, Joe. “As vacinas matam mais do que a gripe suína”. Global Research. 21 de agosto de 2009.

http://www.google.com/search?hl=en&source=hp&q=mae+wan+ho+global+research&aq=o&oq=&aqi
g10

MEMBROS DA OMS EXPLICAM
http://perigomortalvacinah1n1.blogspot.com/2009/11/memos-da-oms-explicam-como-tornar.html

COMO TORNAR VACINAS
http://perigomortalvacinah1n1.blogspot.com/2009/11/memos-da-oms-explicam-como-tornar.html

EM INSTRUMENTO DE MORTE
http://perigomortalvacinah1n1.blogspot.com/2009/11/memos-da-oms-explicam-como-tornar.html

http://www.fightbackh1n1.com/2009/08/who-memos-1972-explains-how-to-turn.html

Membros da Organização mundial de saúde datando de 1972 explicam como utilizar as vacinas como máquinas de matar.

Dois memorandos importantes da OMS descobertos por Patrick Jordan provam que a OMS deliberadamente criou uma vacina mortal que os habitantes dos Estados Unidos e de outros países poderão dentro em pouco serem forçados a tomar.

OMS 1972, boletim 47, memorando nº1 e memorando nº2
Imunopatologia associada aos vírus:

* Modelos animais e implicações para as doenças humanas * tecnicamente definiam a habilidade de criar armas biológicas na forma de vacinas que:
1) Primeiro desarmam totalmente o sistema imunitário.
2) Carrega cada célula do corpo da vítima com infecção.
3) Ativa o sistema imunitário para que as células hospedeiras matem a si mesmas em uma reação de citosinas.

Um, dois, três e morte.
Estes Memorandas da OMS descrevem o impacto em três etapas das três injeções sem da vacina que muitas pessoas serão forçadas a tomar neste outono para, pelo que alegam, tratar um vírus que a OMS também ajudou a criar e espalhar.

Isso é uma peça crucial de evidência das intenções a longo prazo de genocídio da OMS com validade em qualquer corte de justiça porque estes memorandos oferecem a melhor e mais exaustiva explicação sobre as atividades correntes da OMS e de laboratórios afiliados (tal como o CDC - Centro para Controle de Doenças), tais como o patentear os vírus aviários mais letais, enviar esse vírus para a subsidiária da Baxter na Áustria, que então transformou em arma e enviou 72 kilos para 16 laboratórios em quatro países, quase desencadeando uma pandemia global.

Por traz de qualquer crime deve haver um motivo, um elemento que indica que o ato foi deliberado, planejado. Os memorandos da OMS nos oferem a prova de que se trata de um ato deliberado, plano de longa data para matar pessoas por enfraquecer o sistema imunitário graças a uma primeira vacina, por injetar um vírus ativo graças a uma segunda vacina, e provocando uma reação de citosinas graças ao esqualene contido na terceira vacina.

http://www.pubmedcentral.nih.gov/tocrender.fcgi?iid=169484

Procure na página até encontrar Memoranda Virus-associated immunopathology : animal models and implications for human disease:’’

1.Effects of viruses on the immune system, immune-complex diseases, and antibody-mediated immunologic injury

2.Bull World Health Organ. 1972; 47(2): 257?264.?PMCID: PMC2480894
http://www.pubmedcentral.nih.gov/picrender.fcgi?artid=2480894&blobtype=pdf
Virus-associated immunopathology: animal models and implications for human disease:

2. Cell-mediated immunity, autoimmune diseases, genetics, and implications for clinical research
Bull World Health Organ. 1972; 47(2): 265?274?PMCID: PMC2480896

http://www.pubmedcentral.nih.gov/picrender.fcgi?artid=2480896&blobtype=pdf

Se tiver dificuldade por favor baixe da Download Section : HYPERLINK

http://fightbackh1n1.blogspot.com/2009/08/criminal-chargesanzeigen.html
http://www.fightbackh1n1.com/2009/08/who-memos-1972-explains-how-to-turn.html