Desenvolvido por Ricardo Ventura
ricardo.ventura777@hotmail.com
DOENÇAS DO CORAÇÃO: PROCESSO INFLAMATÓRIO (I)

Falamos que o colesterol LDL é uma lipoproteína benigna e que ao ser atacada por radicais livres tende a se oxidar, a grosso modo "enferrujar". Falamos também que os ataques cardíacos não tem como culpado o colesterol, mas sim a inflamação dos vasos sanguíneos. Dissemos que se a gente manter otimizado o status nutricional de nosso corpo com antioxidantes naturais evitaremos a oxidação do colesterol LDL.

O colesterol LDL não é o único ator que influencia a natureza da resposta inflamatória dos vasos sanguíneos. Outros atores aparecem na peça, que são a homocisteína e os radicais livres que o fumo (tabaco), a hipertensão, os alimentos gordurosos e o diabetes tendem a produzir.

A inflamação de nossas artérias ocorrem de maneira muito semelhante às reações inflamatórias vistas em outras partes do corpo. A reversão do processo inflamatório é muito simples, o qual tenteremos explicar da forma mais leiga possível.

Costumamos ver nas obras públicas manilhas, que mais se parecem como canos de concreto, por onde correrão ali águas pluviais. Vamos supor que essa manilha tem uma boa espessura e se parece agora como parte de uma artéria normal (vaso onde percorre o sangue). A parede interna dessa artéria poderemos chamar de endotélio. A camada mais abaixo dessa parede chama-se espaço subendotelial. Um pouco mais abaixo encontraremos a camada muscular da artéria.

Repetindo até para fixar, a manilha é como se fosse o corte de uma artéria normal, onde a superfície interna dessa artéria é composta de uma camada sensível chamada de endotélio, sob a qual encontra-se a camada muscular. Entre o endotélio e a camada muscular está o espaço subdentolial. É no espaço subendotelial onde os processos e danos inflamatórios começam a ocorrer.

O colesterol LDL produzido pelo nosso organismo, presente em nosso sangue fica preso no espaço subendotelial, onde tende a se oxidar ("enferrujar"), se por ali não existir um antioxidante adequado disponível. Esse colesterol ao ser oxidado é engolido pelos glóbulos brancos chamados de macrófagos (fazemos uma analogia dos glóbulos brancos macrófagos com o Packman, um personagem de um joguinho de videogame). Esses Packmen ao engolir o LDL oxidado ficam estufados de gordura. Lembremos que esse processo não ocorre se o colesterol LDL não estiver oxidado. Quando o Packman se estufa, ele se torna uma célula espumosa. A célula espumosa causa danos então ao sensível revestimento da artéria, gerando estresse oxidativo nessa área. Esse processo gera lesões e disfunções do endotélio, e o processo de espessamento das artérias se inicia. É como se criasse um calombo dentro dos vasos.

A inflamação é um processo dado em quatro partes que ao longo de nossos artigos explicaremos ao nobre leitor.

“Educação é aquilo que revela os sábios e distingue dos tolos sua falta de conhecimento.”
Ambrose Bierce


Somos promotores de saúde. Vendemos a saúde com os nossos artigos, muitas das vezes indo de encontro aos paradigmas da medicina ocidental. Proporcionamos às pessoas, sejam profissionais na área de saúde, seja qualquer pessoa consciente, a fazer uso de nossos alimentos funcionais (sucos de aloe vera) e nutracêuticos (ômega 3 e 9, pólen etc.), seja para obter a reversão de doenças degenerativas crônicas, seja para otimizar o status nutricional das pessoas ou pacientes. Esses alimentos funcionais e nutracêuticos, conhecidos, registrados e respeitados em 110 países podem ser adquiridos pelo nosso intermédio em condições altamente vantajosas. Portanto, você poderá consumí-los ou potencializar seu trabalho profissional. Perguntem-nos como.

“No Egito, as bibliotecas eram chamadas de tesouro dos remédios da alma. De fato nelas se curava a ignorância, a mais perigosa das enfermidades e a origem de todas as outras.”
Jacques Benigno Bossuet

PROCESSO INFLAMATÓRIO ( II )

"Cada um que varra a sua porta e, se o mundo não ficar limpo, ficará menos sujo."
Otto Lara Resende


Há um pouco mais de uma semana, passou pela transição uma irmã de Ordem muito querida por todos nós. Sua saúde estava sendo cuidada. Fizera preventivamente, pouco antes de sua morte, vários exames laboratoriais, e suas taxas sangüíneas estavam normais: colesterol, triglicérides, etc. Morrera de problema cardiovascular. Perdi também esse ano uma irmã consangüínea, que morrera de AVC aos 45 anos de idade. Seus exames estavam também normais, sendo sua hipertensão controlada por fármacos.

Pesquisas norte-americanas revelam que mais da metade dos pacientes que sofrem de ataque cardíaco tem níveis normais de colesterol[1]. Ao longo de meus artigos venho afirmando que o colesterol não é o vilão, com base em informações do dr. Rath e do dr. Strand. O problema se reveste na inflamação dos vasos sangüíneos. Venho enfatizando que o colesterol LDL é benigno, entretanto tem essa lipoproteína a capacidade de oxidar ("enferrujar") facilmente, caso o nosso sistema de defesa antioxidante esteja deficiente. O LDL oxidado, a homocisteína e o excesso de radicais livres é que contribuem para a inflamação. Hoje falaremos sobre três dos quatro estágios do processo inflamatório nas artérias.

Estágio Um:
Ataque inicial ao endotélio

O endotélio é uma camada de células muito sensível no interior da artéria. Os pesquisadores já acreditam que o espessamento das artérias se deva em razão do estresse oxidativo (ataque dos radicais livres). O estresse oxidativo é provocado quando o LDL oxidado, a homocisteína e o excesso dos radicais livres lesam ou irritam o endotélio. Isso ocorre quando o LDL natural consegue passar para a área abaixo do endotélio (espaço subendotelial) onde ali se oxida. Essa oxidação é que irrita o revestimento da artéria e o processo inflamatório se inicia.

Estágio Dois:
Resposta Inflamatória

Nosso corpo é inteligente. Possui um sistema de defesa que protege o endotélio da artéria. No caso de ligeira irritação ou lesão, ele responde enviando certos glóbulos brancos (monócitos) com o fito de eliminar o colesterol oxidado. Esses monócitos circulantes no sangue se transformam em macrófagos (Packman ou "come-come"). Os Packman começam então a digerir o inimigo na tentativa de minimizar a irritação do endotélio. Se essa resposta inflamatória for bem sucedida, acabou-se o problema, e o revestimento da artéria se auto-repara. Só que isso não costuma ser bem assim.

Imaginem o Packman ("come-come") como motorista de uma van escolar. Ele sai recolhendo as crianças deixando-as nos lugares apropriados. Assim como o motorista da van, os macrófagos só conseguem carregar um número limitado de partículas de colesterol por vez. Esse processo chama-se "mecanismo natural de feedback negativo". Quando estamos saudáveis, os monócitos circulantes na corrente sangüínea se transformam em macrófagos, recolhem os LDL oxidados e os liberam em LDL natural.

Voltando à analogia, o problema começa quando o motorista da van recolhe crianças delinqüentes. Nesse caso ele não as deixam sair do carro. Só que o carro tem limite de vagas. O mesmo acontece com os macrófagos. Os macrófagos recolhem as partículas delinqüentes de LDL oxidado, mas não liberam nenhuma. Quando isso ocorre, o macrófago fica imóvel e começa a inchar, não ocorrendo mais o mecanismo natural de feedback negativo (transformação do LDL oxidado em LDL natural). O colesterol LDL oxidado ("gordura") vira uma célula espumosa. Essa célula espumosa adere ao revestimento da artéria e acaba gerando o primeiro indício do espessamento das artérias, chamado de "estria gordurosa".

A "estria gordurosa" é uma lesão inflamatória. É o estágio inicial do processo chamado aterosclerose. Esse processo provoca efeito colateral. O endotélio (camada fina e sensível da artéria) é danificada pelo processo que deveria restaurá-la. Isso provoca uma resposta inflamatória crônica na área em torno do revestimento de nossas artérias.

Estágio Três:
Resposta Inflamatória Crônica

A inflamação crônica é a causa subjacente de ataques cardíacos, AVCs, doenças vasculares periféricas e aneurismas. De uma maneira geral, essas são classificadas como doenças cardiovasculares (doenças que envolvem as artérias de nosso corpo).

Quando a inflamação das artérias persiste, a estria gordurosa simples começa a mudar. Não somente a inflamação atrai mais glóbulos brancos (em geral monócitos), com esses se transformam em macrófagos que continuarão a digerir mais LDL oxidado a se estufarem, formando mais células espumosas. Isso faz surgir uma placa muito mais espessa, e o processo de espessamento das artérias atinge um estágio avançado. Isso é um processo lento e gradativo que dura anos.

A resposta inflamatória também gera um estímulo para que as células musculares (músculo liso) que compõem a parede da artéria se multipliquem. Essa multiplicação acarreta um maior espessamento da parede da artéria, sendo esse processo chamado de "proliferação". Conseqüentemente, a artéria tende a se estreitar.

A resposta inflamatória é um ciclo vicioso. Não somente ocorre a geração de uma placa de gordura, como também há um espessamento da parede da artéria. Normalmente, o funcionamento da camada endotelial decorre da liberação de um importante produto chamado "óxido nítrico". Durante a resposta inflamatória, entretanto, a liberação apropriada de óxido nítrico é bloqueada no endotélio, causando seu mau funcionamento. Isso, em contrapartida, faz com que plaquetas adiram à placa e que a artéria ao redor dessa sofra espasmos.

No próximo encontro falaremos sobre o último estágio: a ruptura da placa. Esperamos que o leitor leve a sério essas informações. A título de esclarecimento, a Forever Living Products desenvolveu uma bebida nutricional antioxidante uma das mais poderosas no tocante à tecnologia nutricinal: o Forever Pomesteen Power. É um suco composto de sucos de Romã, Pêra, Mangostão, Amora, Framboesa, Mirtilo e Sementes de Uva. Diferente de outros sucos, vendidos a peso de ouro e de pouca validade científica, o Pomesteen é uma bebida nutricional composta de alimentos funcionais que com certeza evitarão o processo inflamatório de suas artérias. O Pomesteen é indicado também para mulheres no processo de menopausa. Voltamos e enfatizar: se você é profissional de saúde, beleza ou nutrição não deixe de potencializar seu trabalho com os nossos alimentos funcionais, nutracêuticos produtos para a beleza. Para o leitor geral, esse é um caminho de evitar as armadilhas traçadas pelo Cartel Farmacêutico e Indústrias Químicas Cosméticas. Nós temos muitas informações científicas caso vocês desejam estar com a gente.

"Nós fazemos um meio de vida através do que conseguimos, mas fazemos uma vida pelo que nós damos."
Norman MacEwan


[1]RIDKER, P.C. "Reactive protein and other markers of inflammation in the prediction of cardiovascular disease in women. New England Journal of Medicine, p. 342

Processo Inflamatório ( III )

Ao longo de nossos artigos você vai tendo uma leve impressão que está sendo manipulado por uma parcela da comunidade médica e pelo meio farmacêutico. Pois bem, isso não é uma impressão, mas um fato, infelizmente.

Linus Pauling, Prêmio Nobel de Química e da Paz, passou um bom tempo de sua vida lutando contra o engodo de uma parcela da comunidade médica e dos políticos. As escolas dos médicos ocidentais desenvolveram a crença na drogaria (acima de tudo) e nas intervenções cirúrgicas, muitas vezes desnecessárias. Para diminuir consideravelmente esse risco, cuide o quanto antes de seu coração e de suas artérias por meio de alimentos funcionais e nutracêuticos, senão os médicos e as indústrias farmacêuticas cuidarão deles de um modo pecuniário e sofrido para você.

"Um paciente deve pagar a consulta que o médico cobra para ajudar o médico a viver. Deve comprar todos os remédios recomendados para ajudar o farmacêutico a viver. E deve jogar na privada todos estes remédios para ele mesmo viver."
Anônimo


Hoje falaremos sobre o último estágio do processo inflamatório das artérias: a ruptura da placa.

O estágio final em cerca de 50% dos ataques cardíacos é a ruptura de uma das placas inflamadas, acarretando a formação de um coágulo ao redor dessa placa rompida. Nessa fase, há o fechamento agudo, abrupto e total dessa artéria, bloqueando o fluxo sangüíneo para aquela parte do organismo. Placas potencialmente perigosas são, com freqüência, pequenas e podem até não causar um estreitamento significativo da artéria - dificultando o diagnóstico de doenças cardíacas antes da ruptura da placa. Nota-se porque os problemas de coração são bastante silenciosos e sem suspeitas até que a placa se rompa e bloqueie efetivamente a artéria. Lembremos também que o estresse oxidativo (dano celular por radicais livres), pode causar danos nessas placas, o que leva finalmente à sua ruptura.

As artérias tendem a continuar se estreitando até o ponto em que ficam ocluídas (entupidas). Você conhece alguém que já teve de injetar contraste nas artérias para saber se tinha estreitamentos agudos das artérias coronárias? Esses pacientes tendem a ter como sintomas, dores no peito, ou o que os médicos chamam de angina instável. Nessas situações, tais médicos dilatam os vasos por meio de um procedimento cirúrgico chamado angioplastia, que nada mais é do que um procedimento que promove a dilatação por meio de um pequeno balão introduzido no lúmen da artéria ou, de acordo com a gravidade do caso, criam um desvio dos bloqueios por meio de uma cirurgia (ponte de safena e mamária).

Se tivéssemos que ficar acompanhando no hospital a rotina de um cardiologista ou de um cirurgião cardiovascular, de cara notaríamos que eles passam a maior parte do tempo tentando apagar incêndios. Na verdade, os pacientes já chegam na carga limite do processo inflamatório, não deixando a eles a opção de não realizar qualquer intervenção cirúrgica.

Ao escrever este artigo, recebemos informações que dois personagens da mídia estão passando por sérios problemas cardiovasculares, com risco de morte: o apresentador Fernando Vanucci e a atriz Nair Bello. Pelo que foi exposto em nossos artigos, podemos inferir com quase absoluta certeza de que as taxas sanguíneas desses artistas, como o colesterol por exemplo, estavam normais, haja vista que eles costumeiramente passam por exames médicos de rotina. Se esses personagens públicos costumam realizar exames de rotina, por que tiveram problemas cardiovasculares? O leitor já tem condições de responder...

Lembrem-se: a boa noticia é que os alimentos funcionais e os nutracêuticos, compostos de antioxidantes e nutrientes de apoio, podem eliminar ou ao menos, reduzir significamente todas as causas de inflamações das artérias. Há evidências e pesquisas científicas que corroboram nossa afirmação. Acredite.

"Não existe esse negócio de súbito ataque cardíaco. Ele requer anos de preparação."

Dr. Matthias Rath -

O Dr. Matthias Rath, médico-cientista, pioneiro no campo da prevenção das doenças cardiovasculares, junto com Linus Pauling e criador da Medicina Celular, é quem hoje catalisa e lidera o movimento mais importante em prol do Novo Mundo de Paz, Saúde e Justiça Social. Por isso suas palavras não poderiam ficar ausentes desta publicação. Que elas sejam um incentivo para que nos mantenhamos informados e unidos, através da sua Fundação de modo a participarmos e contribuirmos por essa justa causa.

"Minha principal contribuição para a humanidade é a descoberta de como é possível prevenir e tratar as doenças cardiovasculares e, assim, erradicar as doenças cardíacas. A segunda é de expor a dependência que a indústria farmacêutica e seus investidores têm pelo "comércio das doenças".

Quando comecei a pesquisar a causa das doenças cardiovasculares acreditava-se, por influência da indústria farmacêutica, que elas eram decorrentes do dano que o colesterol provocava às paredes dos vasos sangüíneos, tornando-as espessas e, eventualmente, bloqueando a passagem do sangue. Hoje, porém, já se sabe não ser esse o caso, pois, se assim fosse, não apenas as artérias do coração e os vasos sangüíneos do cérebro seriam danificados e bloqueados, mas todos os vasos, fazendo com que tivéssemos infarto do nariz, ouvidos, joelhos ou de qualquer outro órgão.

Inicialmente descobri que as doenças cardiovasculares são praticamente inexistentes nos animais, pois eles produzem sua própria vitamina C, a vitamina mais essencial à produção do colágeno, do qual depende o fortalecimento das paredes dos vasos sangüíneos. Nós, porém, não só não a produzimos, como freqüentemente temos uma alimentação deficiente de vitamina C, o que implica no enfraquecimento dos vasos sangüíneos, sobretudo das áreas mais expostas ao estresse mecânico, como é o caso das artérias coronárias que bombeiam o coração. Reconhecendo tal fato, me voltei para o estudo das células e moléculas como meio de prevenção e cura das doenças. A descoberta sobre a natureza das doenças cardiovasculares, portanto, foi só o início.

A medicina, dividida em disciplinas especializadas nos órgãos, ignora o fato de a saúde ser determinada pela qualidade das células cujo funcionamento depende da energia biológica promovida, essencialmente, pelas pequenas moléculas biocatalíticas que aceleram as reações químicas nas células, como é o caso das vitaminas, minerais, determinados aminoácidos, etc.

A medicina celular, embora seja um novo campo da medicina, está fundamentada naquilo que qualquer estudante de biologia e bioquímica aprende sobre os micronutrientes, ou seja, que eles são essenciais à otimização do funcionamento celular. Ela se utiliza, portanto, dos micronutrientes como meio de prevenção e tratamento das doenças mais comuns, como é o caso das doenças cardiovasculares e infecciosas, do câncer, etc.

Esses princípios são facilmente compreendidos por qualquer pessoa. Por isso, os profissionais e responsáveis pela saúde pública precisam se familiarizar, o mais rápido possível, com eles para que sejam capazes de aplicá-los nos programas que visam a saúde pública. Com a constatação de que os nutracêuticos são o combustível biológico das células, torna-se óbvio que a causa da maioria das doenças, ligadas ou não ao sistema cardiovascular, é a carência nutricional prolongada, crônica.

Também descobri um modo natural de prevenir que as células cancerosas se espalhem pelo corpo - não importa seu tipo ou em que órgão tenham começado, pois todas utilizam a mesma "tesoura biológica", a colagenase - enzima capaz de cortar os tecidos colaginosos. E como a agressividade do câncer é fruto de uma maior produção de colagenase, descobri também que a sua produção pode ser diminuída ou totalmente bloqueada pelos aminoácidos lisina e prolina combinados à vitamina C e a outros micronutrientes. A indústria farmacêutica não pode produzir drogas que previnam ou erradiquem as doenças, pois são as doenças que criam a contínua necessidade pelas drogas que produz. Por isso, 80% dos fármacos oferecidos no mercado só encobrem os sintomas das doenças."
Referência: CAMARGO, Monica Lacombe


por Luiz Fernando Theodoro de Jesus
http://somostodosum.ig.com.br/p.asp?i=6553