Desenvolvido por Ricardo Ventura
ricardo.ventura777@hotmail.com
A CURA DO CÂNCER
Dr. TULLIO SIMONCINI

BICARBONATO DE CÁLCIO

Sim, o câncer pode ser curado!

Foi assim que chegamos a conhecer, respeitar e agradecer ao Dr. Tullio Simoncini, um médico oncologista italiano, uma pessoa do bem, corajosa e de mente aberta que está descortinando um caminho talvez definitivo e de simples compreensão, resgatando para a vida um sem número de pessoas atingidas pela doença, que mata oito milhões e meio de pessoas a cada ano no mundo. Seu primeiro “paciente terminal” entrou em remissão e continua vivo e bem até hoje.

Mas, mesmo ovacionado de pé na 36ª e última Convenção anual de Terapias Alternativas sobre o câncer, em Los Angeles, em Setembro passado, ele foi destituído da ordem dos médicos e impedido de operar, sofrendo ainda um maciço bombardeio por parte da mídia, promovido pelo jurássico e podre sistema de poder local que deveria cuidar da Saúde dos pacientes, mas está comprometido de forma promíscua com a indústria farmacêutica e seus desmandos… provavelmente, o próximo grande setor a ser questionado, revelado e redimensionado. É inadmissível que milhares de casos de cura definitiva, obtidos com técnicas simples e eficazes nem sejam pesquisados, simplesmente pelo potencial de prejudicar os astronômicos lucros futuros deste cartel.

É algo monstruoso, para se dizer pouco, mas que se aproxima inexoravelmente de seu final. Sim, nada é mais forte do que a verdade que liberta, que triunfa sobre a miséria da alma, a fraqueza do caráter, a pobreza de espírito.

A descoberta é genial e bate com a sabedoria popular que já tinha colocado seus rótulos aos maiores candidatos a padecer desse mal… sabe aquelas pessoas “azedas”, “cáusticas”, “amargas”? Bingo!

Pois bem, o aspecto genético e o ambiental, considerados há décadas pelas sumidades acadêmicas como os principais causadores da enfermidade, na realidade, pouco tem a ver com as pessoas citadas. Em sua maioria elas, infelizmente, são acompanhadas pelo pessimismo, pela frustração, pela tristeza e pelo desconhecimento do sentido profundo da existência. Quem acompanha o STUM faz algum tempo sabe da gravidade das emoções negativas, das crenças equivocadas passadas de geração em geração, dos ressentimentos e mágoas (Como é bom perdoar e perdoar-se!) que se manifestam por fim no corpo físico em forma de doença, de degeneração celular.

Provavelmente, se colocarmos um medidor portátil digital de pH, (que custa 20 Dólares nos EUA -um instrumento que revela se uma solução líquida é ácida, neutra ou alcalina- que bela e fácil prevenção, hein?!) na saliva de uma dessas pessoas, verificaremos que o instrumento marcará algo em volta de 5, sendo que o valor neutro é 7 (praticamente o ideal. Acima de 7 temos as soluções alcalinas).

Nessas condições de acidez, o organismo torna-se presa mais fácil de fungos oportunistas, que proliferam em ambiente ácido, criando colônias, produzindo eventualmente problemas fisiológicos graves que costumam ainda ser chamados de “irreversíveis” pela ciência médica atual.

Bom observador e seguramente dono de uma intuição privilegiada, o Dr. Simoncini começou a atacar os tumores, onde quer que se encontrassem no corpo humano de seus pacientes, com soluções calibradas de bicarbonato de sódio, o famoso e barato componente principal do “Sal de Frutas” (que os apreciadores da feijoada bem conhecem), elemento alcalino que simplesmente acaba com o habitat ácido, território favorável ao fungo invasor. (Aftas costumam ser companheiras de jornada da doença do século e o bicarbonato provou sua efetividade também com elas).

Câncer de pele também começou a regredir, a ser curado, utilizando-se para uso externo algo também bem popular: a solução de tintura de iodo, pincelada diretamente sobre a pele. Enfim, o caminho está aberto, funciona, é prático, simples, barato. Cabe agora às pessoas de boa vontade e bom coração agir com foco, com coragem e determinação para espalhar aos quatro cantos e introduzir de vez esta arte de curar.

Os fantásticos poderes do Bicarbonato de Sódio
http://arautodofuturo.wordpress.com/2009/07/02/os-fantasticos-poderes-do-bicarbonato-de-sodio/

Um remédio que geralmente está na sua cozinha!

Quem nunca ouviu falar dos ‘poderes’ do bicarbonato de sódio? Pergunte para a vovó, com certeza ela terá muitas dicas! Na área da saúde recentemente as pesquisas avançam! Quem ganha? A vida!

Recente reportagem publica a notícia:

Bicarbonato de sódio confina tumores, sugerem pesquisas

EDUARDO GERAQUE
da Folha de S.Paulo

A importância do uso do bicarbonato de sódio para frear o surgimento de metástases tumorais ganha força com resultados recentes de experimentos feitos em camundongos. A substância eleva o pH do ambiente tumoral, o que dificulta a proliferação das células.

“Os testes em animais mostram que o bicarbonato deixa o tumor confinado”, afirma Andres Yunes, pesquisador do Centro Infantil Boldrini, em Campinas, interior paulista.

Os animais tomaram bicarbonato via oral. A acidez dentro de um ambiente tumoral (pH mais baixo) torna a doença mais agressiva, como várias pesquisas já demonstraram.

Com os dois estudos publicados no periódico “Câncer Research”, que reuniu grupos americanos (Arizona e Flórida) e um brasileiro (Boldrini), a hipótese que associa acidez a metástases fica mais robusta.

A tendência é que ela seja examinada em testes em humanos, que devem ser feitos nos EUA, no curto prazo.

De acordo com Yunes, que participou dos estudos ao ajudar a desenvolver um simulador computacional de tumor, existem argumentos para que testes clínicos com o bicarbonato em humanos possam ser feitos também no Brasil.

O modelo de computador, desenvolvido pelo engenheiro Ariosto Silva, hoje na Universidade da Flórida, corrobora a importância da acidez.

A ferramenta simulou o crescimento de um tumor de mama em três dimensões a partir de cenários reais. A substância ideal para neutralizar o tumor teria de ter um pH por volta de 7. O bicarbonato tem um pH de 6,1. Não é o ideal, mas serve.

Porém, os caminhos para frear tumores agressivos, diz Yunes, são vários. Uma saída é interferir diretamente na resistência do tumor à acidez.

“Tudo indica que essa maior resistência é por causa de uma proteína específica”, diz Yunes. Portanto, pode-se pensar em uma droga que aja diretamente sobre ela. O resultado esperado é que o ambiente ácido, antes benéfico, acabe agora se voltando contra as células tumorais.