Desenvolvido por Ricardo Ventura
ricardo.ventura777@hotmail.com
ADOÇANTE DIETÉTICO- O MAL OCULTO - URGENTE!!!
ESCLEROSE & ALZHEIMER, mal de ADOÇANTE*

Passei alguns dias falando na CONFERÊNCIA MUNDIAL DE MEIO AMBIENTE a respeito do ASPARTAME, conhecido como Nutrasweet, Equal, Zerocal,Finne e Spoonful.

Eles anunciaram que existia uma epidemia de Esclerose Múltipla e Lúpus  sistêmico, e não entendiam que toxina estava fazendo com que essas doenças  assolassem os Estados Unidos tão rapidamente.
Eu expliquei que estava lá para falar extamente sobre este assunto'.

  *ALZHEIMER, MAL DO ADOÇANTE.*
Artigo escrito pela Dra. Mancy Marckle

Quando a temperatura excede 30º C, o álcool contido no ASPARTAME se  converte em formaldeído e daí para ácido fórmico (o ácido fórmico é o  veneno das formigas), que provoca acidose metabólica. A toxicidade do metanol imita a esclerose múltipla e as pessoas recebem diagnóstico errado  de esclerose múltipla.
Nos casos de Lúpus sistêmico causado pelo ASPARTAME, a vítima geralmente  não sabe que o Aspartame é a causa de sua doença e continua com seu uso,  agravando o lúpus a um grau tão intenso que algumas vezes ameaça a vida.

Quando interrompemos o uso do Aspartame, as pessoas que tinham lúpus ficam  assintomáticas.

Em uma conferência eu disse:
'Se você está usando ASPARTAME (Nutrasweet, Equal, e Spoonful, etc..) e sofre de sintomas como fibromialgia, espasmos,  dores, formigamento nas pernas, câimbras, vertigem, tontura, dor de  cabeça, zumbido no ouvido, dores articulares, depressão, ataques de  ansiedade, fala atrapalhada, visão borrada ou perda de memória - você  provavelmente tem a DOENÇA DO ASPARTAME! As pessoas começaram a pular  durante a palestra dizendo: Eu tenho isto, é reversível? É impressionante.

Há um tempo atrás houve Audiências no Congresso dos EUA incluindo o  aspartame em 100 produtos diferentes. Nada foi feito. Os lobbies da droga e  da indústria química têm bolsos muito profundos.

Agora existem mais de 5000 produtos contaminados com este produto químico,  e a patente expirou.

Na época da primeira audiência, as pessoas estavam ficando cegas.
O metanol no aspartame se converte em formaldeído na retina do olho.  Formaldeído é do mesmo grupo das drogas como cianeto e arsênico - Venenos  mortais! Infelizmente, leva muito tempo para matar, mas está matando as  pessoas e causando todos os tipos de problemas neurológicos.


O Aspartame muda a química do cérebro. É a causa de diversos tipos de  ataque.

Esta droga muda os níveis de dopamina no cérebro. Imagine o que acontece  com os pacientes que sofrem de Doença de Parkinson? Também causa  malformações fetais. Não existe nenhuma razão para se utilizar este  produto.

NÃO É UM PRODUTO DIETÉTICO! Os anais do congresso dizem: Ele faz você  desejar carboidratos e faz engordar. Dr. Roberts viu que quando ele  interrompeu o uso do Aspartame a perda de peso foi de 9,5 kg por pessoa. O  formaldeído se armazena nas células adiposas, principalmente nos quadris e coxas.

O Aspartame é especialmente mortal para os diabéticos. O Dr. H.J. Roberts,  especialista diabético e perito mundial em envenenamento pelo  Aspartame, escreveu um livro entitulado:

DEFESA CONTRA A DOENÇA DE  ALZHEIMER
Eu asseguro que A* **MONSANTO*, A CRIADORA DO ASPARTAME - SABE COMO ELE É MORTAL ELES FINANCIAM A ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE DIABETES, A ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE DIETÉTICA, O CONGRESSO E A CONFERÊNCIA DO COLÉGIO AMERICANO  DE MEDICINA.

O New York Times, em 15 de Novembro de 1996, publicou um artigo a respeito  de como a Associação Americana de Dietética recebe dinheiro da indústria  Alimentícia para endossar seus produtos. Por isso, eles não podem criticar  aditivos ou falar a respeito de sua ligação com a *MONSANTO*. A que ponto  chega isso? Dissemos a uma mãe cujo filho estava usando Nutrasweet para  interromper o uso do produto. A criança estava tendo convulsões diárias.
O aspartame é um adoçante artificial encontrado em refrigerantes, batatas fritas e dieta transformado muitos alimentos. Também conhecido como NutraSweet, Equal, e Spoonful Equal-Measure, o aspartame é de longe a substância mais perigosa, que é colocado nos alimentos. Aspartame é responsável por mais de 75 por cento das reações adversas aos aditivos alimentares relatados ao     E.U.A  Food and Drug Administration (FDA). Estas reacções incluem convulsões e até morte. No relatório, existem 90 diferentes sintomas documentados (12). Estes incluem:

De cefaléias, tonturas, convulsões, náuseas, dormência, espasmos musculares, ganho de peso, erupções cutâneas, depressão, fadiga, irritabilidade, taquicardia, insônia, problemas de visão, perda auditiva, palpitações, dificuldades respiratórias, ataques de ansiedade, fala atrapalhada, perda de paladar, zumbidos, vertigens, perda de memória e dor nas articulações.

Doenças crônicas podem ser desencadeadas ou agravadas pela ingestão de aspartame: (13) - Os tumores cerebrais, esclerose múltipla, epilepsia, síndrome da fadiga crônica, doença de Parkinson, Alzheimer, retardo mental, linfoma, defeitos de nascença, fibromialgia e diabete. Não existe evidência científica convincente que faz com que estas condições, mas os relatórios continuam vindo de pessoas que tenham ingerido o e recente pesquisa sugere que há um vínculo definitivo (14).

Todo o mundo já conhece, por exemplo, o aspartame (E951), adoçante ou edulcorante que substitui o açúcar (sacarose, glicose e frutose), utilizado por diabéticos por não consumir insulina e ter muito poucas calorias. Hoje em dia abusa-se dele e dos similares (sacarina-E954 e outros) em inúmeros alimentos e bebidas - yogurte, refrigerantes, produtos ditos light e até no revestimento de medicamentos, comprimidos e drageias
. Em excesso, é tóxico cerebral, criando quadros depressivos e até podendo provocar cancro, sendo os efeitos mais comuns urticária, cefaleias e perturbações visuais.

Estes são divididos em dois grupos.
1º) Os adoçantes calóricos acrescentam energia à dieta e incluem o manitol, o sorbitol, o xilitol e xarope de glicose hidrogenada.
2º) Os adoçantes não-calóricos são adoçantes sintéticos e incluem o acesulfame K, o aspartarme, a sacarina e a taumatina. Sucrose, glicose, frutose e lactose são todas classificadas como alimentos e não como adoçantes ou aditivos.

(<http://www.sunsentpress.com/defenseAgainstAlzheimers.HTML> ).
Dr. Roberts conta como o envenenamento pelo Aspartame está relacionado à  doença de Alzheimer. E realmente está. Mulheres de 30 anos estão sendo  internadas com Alzheimer..
Dr. Russell Blaylock e Dr. Roberts estão escrevendo uma carta-posição com  alguns casos relatados e vão colocá-la na Internet.

*PEDIMOS QUE VOCÊ SE ENGAJE TAMBÉM.*
Você Usa Adoçante?

Na certa você já sabe ou ouviu falar que adoçantes artificiais fazem mal à saúde. Mas a classe médica sabe? Claro! O Ministério da Saúde está ciente há muito tempo. Infelizmente, a população, de uma maneira geral, além de ser carente em informações científicas sérias, não tem a educação necessária para se tornar formadora de opinião (conscientização), bem como renda para usufruir do melhor para a sua saúde. Eis a realidade de que padece o povo de nossa América Católica. O Governo consente, os da saúde prescrevem, a indústria enriquece, o tributo cresce e o povo adoece. Rimou!

Adoçantes ou edulcorantes são substâncias que proporcionam a um alimento o sabor doce. Entretanto, nenhum adoçante pode ser considerado como alimento.

A indústria alimentícia não tem compromisso com o ser humano, mas com o negócio. As grandes corporações alimentícias fazem a festa em países emergentes (?) cujo povo tem uma educação superficial. Só o conhecimento, a conscientização e a mobilização podem provocar mudanças de paradigmas. Milhares de pessoas, orientadas ou não por alguns médicos e nutricionistas, fazem uso de algo que mais tarde criará as condições para a doença e a morte do paciente. Obviamente que os efeitos dos adoçantes artificiais não são imediatos. Podem levar anos.

As substâncias tóxicas na alimentação podem até provocar sintomas rapidamente, como alergias, mas, no geral, seus efeitos são acumulativos e multifacetados. Por isso você não pode culpar o médico, o nutricionista ou a indústria alimentícia tão facilmente. Viram como é sutil e inteligente esse processo? As toxinas agregadas nos alimentos funcionam como substâncias homeopáticas, de acordo com o princípio da prática homeopática: "doses infinitesimais" e "medicamento único". Peixe morre pela boca. E o ser humano? Vejamos o que cada tipo de adoçante pode fazer para o nosso organismo...

Sacarina. Podemos considerá-la como a avó dos adoçantes artificiais. Em 1977 a comunidade científica alertou ser a sacarina uma substância carcinogênica (provoca câncer). Mas a vovó ainda está aí no mercado, firme e forte. É mais fácil ela nos velar e enterrar do que nós a ela. A sacarina é uma substância artificial derivada do petróleo (tolueno mais ácido cloro-sulfônico), 30 vezes mais doce do que a sacarose. E tem mais. Se você é hipertenso, o seu cardiologista já lhe disse que você é proibido de fazer uso da sacarina? Não?!! Sacarina tem íon de sódio (Na+).

Ciclamato. É 30 vezes mais doce do que a sacarose. O ciclamato é probido nos Estados Unidos, Inglaterra e Japão. Atualmente, existem no Brasil diversos adoçantes de mesa à base de ciclamato e sacarina, sendo que os mais vendidos possuem a proporção de duas partes de ciclamato para uma de sacarina. Por isso somos terceiromundistas. O ciclamato é um sal do ácido N-ciclo-hexil-sulfâmico (CHS). Tem problema de pressão arterial? É o mesmo problema da sacarina sódica. Por que seu médico ou nutricionista não falaram disso? Pergunte a eles.

Aspartame. Se você conhece alguém que faz uso de antidepressivos ou ansiolíticos, é bom orientá-los para não fazerem uso dessa substância. Segundo um relatório do New England Journal of Medicine, o aspartame pode causar desequilíbrio significativo de aminoácidos e neurotransmissores no cérebro. Um exemplo disso é a redução da disponibilidade do aminoácido triptofano, baixando os níveis de serotonina no cérebro, fato este que causa oscilações de humor e distúrbios do sono.

O aspartame é o adoçante mais utilizado em refrigerantes e bebidas. Há estudos que o enquadram como uma neurotoxina (mata neurônios) e também como carcinogênico (provoca câncer). E não pára por aí. Com o consumo do aspartame, o nosso corpo produz o metanol (álcool de madeira). Essa substância tóxica pode gerar dor de cabeça (cefaléia), desmaio, convulsões, perda de memória, oscilações de humor, depressão, entorpecimento das extremidades, náusea, perturbação gastrointestinal e sintomas de fibromialgia. E os cientistas apontaram que há indícios de o aspartame poder causar elevações nos níveis de insulina. O gel de Aloe vera possui triptofano. Quem faz uso do gel, não deve usar aspartame.

Acefulfame-K (acefulfame de potássio). Essa substância é uma das mais novas, aprovada pela FDA (ANVISA americana) em 1998. Um estudo científico sugeriu que ele poderia estimular a liberação de insulina. Porém, em 1997, um estudo com camundongos concluiu que "diante dos presentes dados significativos de genotoxidade mamífera in vivo, deve-se usar o acefulfame-K com cautela." Quantas pessoas, na hora do almoço, pega a latinha do refrigerante cola diet e faz "tchiiiiiiii" e, logo após, "glup-glup-glup-glup"? Pense fazendo isso durante anos, o mesmo ritual? Não adianta reclamar mais tarde...

Sucralose. Outro adoçante artificial novo na parada. Irmão gêmeo do acefulfame-K, nascidos em 1998, cuja parteira foi a FDA. A suclarose foi criada pela modificação de moléculas de açúcar para que não sejam digeridas. A suclarose é 600 vezes mais doce do que o açúcar refinado. Como a suclarose é eliminada do organismo sem ser digerida, tem menor potencial de criar complicações do que a sacarina ou o aspartame. Há preocupações quanto ao potencial de a suclarose gerar compostos nocivos à medida que passar pelo sistema digestivo, mas testes em comundongos indicaram que o adoçante foi excretado praticamente inalterado, apenas com metabólitos insignificantes. Porém há motivos para cautela até que mais pesquisas científicas assegurem o seu uso. Os estudos estão muito recentes ainda.

Stévia. Por fim, existe uma substância que foi enquadrada como adoçante, a Stévia, que é um produto oriundo de uma planta de mesmo nome. É um adoçante que até nos faz bem, sendo 30 a 100 vezes mais doce do que o açúcar refinado. A Stévia é um adoçante natural. Evita cárie e não é metabolizado no organismo. Os índios da América do Sul, em particular do Paraguai, já conheciam a planta Stévia há mais de mil anos e a utilizavam como parte de sua dieta. Tome apenas cuidado porque existem fabricantes mal intencionados que vendem o produto da Stévia agregado à sacarina e outros adoçantes artificiais. O nome Stévia vende por si só, por isso as indústrias enganam as pessoas desinformadas. É o mesmo que acontece com a Aloe vera: há empresas que vendem Aloe vera para beber, porém só existe uma empresa no mundo que tem a patente de estabilização (Aloe Vera of America), da qual somos representantes (Forever Living Products). De resto, você é enganado por comprar extrato de Aloe vera com água. Para fazer qualquer efeito terapêutico o produto à base de Aloe vera deve conter, no mínimo, 30% de gel in natura.

Referência:
WURTMAN, R. J. 1983 "NEUROCHEMICAL CHANGES FOLLOWING HIGH-DOSE ASPARTAME WITH DIETARY CARBOHYDRATES" N Engl J Med. 18 de agosto; 309(7):429-30 "Migraine provoked by aspartame" 1986 N. Engl J. Med. 14 de agosto; 315(7):456; MOLLER, S. E. 1991 "Effects of aspartame and protein, administered in phenylalamnine - equivalent doses, on plasma neutral aminoacids, aspartate, insulin and glucose in man", pharmacol toxicol, 68(5):408-412.