Desenvolvido por Ricardo Ventura
ricardo.ventura777@hotmail.com
Por que do Alimento Cru?
o médico Alberto Peribanez Gonzalez destaca que há tantos motivos que justificam a ingestão de  alimentos crus que não seria possível descrever todos aqui. "Os alimentos vivos têm em si diversos mistérios, que aqueles que vêm estudando auxiliam a desvendar", cita. Para demonstrar algumas vantagens, ele enumera quatro benefícios:

- As enzimas são moléculas hiper-reativas capazes de provocar em uma fração de segundos reações químicas que demorariam mil anos para ocorrer. As enzimas estão presentes em abundância nas frutas, sementes, verduras e demais hortaliças. Ao  contrário do que consta nos livros de medicina e nutrição, as enzimas podem ser absorvidas como macromoléculas, pelas células imunes do trato gastrointestinal. Sendo assim, este passa a ser um fator primordial na alimentação viva, a manutenção de uma reserva reativa enzimática potencial;

- Os fitoquímicos são co-fatores importantes na síntese e metabolismo celular envolvendo diversas cascatas metabólicas. Estes fitoquímicos são componentes nutracêuticos, substâncias que fazem parte do alimento vivo, capazes de atuar como verdadeiros remédios. Podemos mencionar, por exemplo, o ácido fólico ou caroteno, conhecidos fitoquímicos capazes de prevenir o câncer em todas as suas fases de replicação.

- As bactérias homeostáticas, lactobacilos, bifidobactérias de origem vegetal, e por sua vez resgatadas do solo, são capazes de promover verdadeiras transformações na microbiota intestinal, transformações estas cruciais ao definir a integridade da mucosa gastrointestinal e sua atividade imune.

- Os antioxidantes extra e intracelulares, ou a renovação destes estoques. A glutationa, por exemplo, depende de fontes vivas de alimentação para manter os estoques, que são intracelulares repletos e prontos para agir. A reação de estresse oxidativo é muito rápida, ocorre em um tempo não mensurável pelo homem, e só a presença de antioxidantes intracelulares pode preveni-Ia no local onde ocorrem.
“A alimentação viva promove alto estado de energia e grande economia corporal, exigindo pouco esforço para digestão e oferecendo muito mais vantagens ao metabolismo do corpo.”

“Não se deve comer para viver nem viver para comer, mas nos alimentarmos de maneira a adquirir mais consciência e evolução individual”
Alberto Peribanez Gonzalez

“A alimentação viva tem digestão mais fácil, onerando monos o sistema digestório. Também é pobre em gorduras, como a vegana”
George Guimarães
FONTE: Trechos tirado da revista VEGETARIANOS - www.vegetarianos.com.br